Mestres

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

FREUD E O HUMOR





O HUMOR (1927)
DER HUMOR
(a) EDIÇÕES ALEMÃS:
1927 Almanach 1928, 9-16.
1928 Imago, 14 (1), 1-6.
1928 G.S., 11, 402-8.
1048 G.W., 14, 383-9.
(b) TRADUÇÃO INGLESA:
‘Humour’
1928 Int. J. Psycho-Anal., 9 (1), 1-6. (Trad. de Joan Riviere.)
1950 C.P., 5, 215-21. (Reimpressão revista da anterior.)


A presente tradução inglesa é versão corrigida da publicada em 1950.
Freud escreveu este artigo em cinco dias, durante a segunda semana de agosto de 1927
(Jones, 1957, p. 146), e ele foi lido, em seu nome, por Anna Freud, a 1º de setembro, perante o
X Congresso Psicanalítico Internacional, em Innsbruck. Foi publicado pela primeira vez no
outono do mesmo ano no ‘Almanaque’ psicanalítico referente a 1928.
O artigo retorna, depois de um intervalo de mais de vinte anos, ao tema examinado na
última seção do livro sobre os Chistes (1905c). Freud considera-o agora à luz de sua nova
representação estrutural da mente humana. Alguns pontos metapsicológicos interessantes
surgem nas últimas páginas do artigo e, pela primeira vez, encontramos o superego apresentado
num estado de espírito afável.


O HUMOR 


Em meu volume sobre Os Chistes e sua Relação com o Inconsciente (1905c), na
realidade considerei o humor apenas do ponto de vista econômico. Meu objetivo era descobrir a
fonte do prazer que se obtém do humor e acho que pude demonstrar que a produção do prazer
humorístico surge de uma economia de gasto em relação ao sentimento. [Standard Ed., 8, 236.]
Há duas maneiras pelas quais o processo humorístico pode realizar-se. Ele pode dar-se
com relação a uma pessoa isolada, que, ela própria, adota a atitude humorística, ao passo que
uma segunda pessoa representa o papel de espectador que dela deriva prazer; ou pode efetuar-se entre duas pessoas, uma das quais não toma parte alguma no processo humorístico, mas é
tornada objeto de contemplação humorística pela outra. Quando, para tomar o exemplo mais
grosseiro [ibid., 201], um criminoso, levado à forca numa segunda-feira, comentou: ‘Bem, a
semana está começando otimamente’, ele mesmo estava produzindo o humor; o processo
humorístico se completa em sua própria pessoa e, evidentemente, concede-lhe certo senso de
satisfação. Eu, ouvinte não participante, sou afetado, por assim dizer, a longo alcance, por essa
produção humorística do criminoso; sinto, como ele talvez, a produção de prazer humorístico.
Temos um exemplo da segunda maneira pela qual o humor surge, quando um escritor
ou narrador descreve o comportamento de pessoas reais ou imaginárias de modo humorístico.
Essas próprias pessoas não precisam demonstrar humor algum; a atitude humorística interessa
apenas à pessoa que as está tomando como seu objeto, e, tal como no primeiro exemplo, o leitor
ou ouvinte partilha da fruição do humor. Para resumir, então, podemos dizer que a atitude
humorística - não importando em que consista - é possível de ser dirigida quer para o próprio eu
do indivíduo quer para outras pessoas; é de supor que ocasione uma produção de prazer à
pessoa que a adota, e uma produção semelhante de prazer vem a ser a quota do assistente não
participante.
Compreenderemos melhor a gênese da produção do prazer humorístico se
considerarmos o processo que se dá no ouvinte perante quem um outro produz humor. O ouvinte
vê esse outro numa situação que o leva a esperar que ele produza os sinais de um afeto, que
fique zangado, se queixe, expresse sofrimento, fique assustado ou horrorizado ou, talvez, até
mesmo desesperado; e o assistente ou ouvinte está preparado para acompanhar sua direçãoe
evocar os mesmos impulsos emocionais em si mesmo. Contudo, essa expectativa emocional é
desapontada; a outra pessoa não expressa afeto, mas faz uma pilhéria. O gasto de sentimento,
que é assim economizado, se transforma em prazer humorístico no ouvinte.
É fácil chegar até aí. Logo, porém, verificamos que é o processo que se realiza na outra
pessoa - o ‘humorista’ - que merece maior atenção. Não há dúvida de que a essência do humor
é poupar os afetos a que a situação naturalmente daria origem e afastar com uma pilhéria a
possibilidade de tais expressões de emoção. Até esse ponto, o processo no humorista tem de
concordar com o processo no ouvinte - ou, para dizê-lo mais corretamente, o processo no
ouvinte deve ter copiado o do humorista. Mas, de que modo este último ocasiona a atitude
mental que torna supérflua a liberação de afeto? Qual é a dinâmica de sua adoção da ‘atitude
humorística’? Evidentemente, a solução do problema deve ser buscada no humorista; no
ouvinte, temos de supor que existe apenas um eco, uma cópia, desse processo desconhecido.
Já é hora de nos familiarizarmos com algumas das características do humor. Como os
chistes e o cômico, o humor tem algo de liberador a seu respeito, mas possui também qualquer
coisa de grandeza e elevação, que faltam às outras duas maneiras de obter prazer da atividade
intelectual. Essa grandeza reside claramente no triunfo do narcisismo, na afirmação vitoriosa dainvulnerabilidade do ego. O ego se recusa a ser afligido pelas provocações da realidade, a
permitir que seja compelido a sofrer. Insiste em que não pode ser afetado pelos traumas do
mundo externo; demonstra, na verdade, que esses traumas para ele não passam de ocasiões
para obter prazer. Esse último aspecto constitui um elemento inteiramente essencial do humor.
Suponhamos que o criminoso levado para execução na segunda-feira dissesse: ‘Isso não me
preocupa. Que importância tem, afinal de contas, que um sujeito como eu seja enforcado? O
mundo não vai acabar por causa disso’. Teríamos de admitir que um discurso desse tipo
apresenta de fato a mesma magnífica superioridade sobre a situação real. É sábio e verdadeiro,
mas não revela traço de humor. Na verdade, baseia-se numa avaliação da realidade que vai
diretamente contra a avaliação feita pelo humor. O humor não é resignado, mas rebelde.
Significa não apenas o triunfo do ego, mas também o do princípio do prazer, que pode aqui
afirmar-se contra a crueldade das circunstâncias reais.
Essas duas últimas características - a rejeição das reivindicações da realidade e a
efetivação do princípio do prazer - aproximam o humor dos processos regressivos ou reativos
que tão amplamente atraem nossa atenção na psicopatologia. Seu desvio da possibilidade de
sofrimento coloca-o entrea extensa série de métodos que a mente humana construiu a fim de
fugir à compulsão para sofrer - uma série que começa com a neurose e culmina na loucura,
incluindo a intoxicação, a auto-absorção e o êxtase. Graças a essa vinculação, o humor possui
uma dignidade que falta completamente, por exemplo, aos chistes, pois estes servem
simplesmente para obter uma produção de prazer ou colocar essa produção, que foi obtida, a
serviço da agressão. Em que, então, consiste a atitude humorística, atitude por meio da qual
uma pessoa se recusa a sofrer, dá ênfase à invencibilidade do ego pelo mundo real, sustenta
vitoriosamente o princípio do prazer - e tudo isso em contraste com outros métodos que têm os
mesmos intuitos, sem ultrapassar os limites da saúde mental? As duas realizações parecem
incompatíveis.
Se retornarmos à situação em que determinada pessoa adota uma atitude humorística
para com outros, uma conceituação que já apresentei experimentalmente em meu livro sobre
chistes se sugerirá por si mesma em seguida. É que o indivíduo se comporta para com eles
como um adulto o faz com uma criança, quando identifica e sorri da trivialidade dos interesses e
sofrimentos que parecem tão grandes a esta última [ibid., 205]. Assim, o humorista adquiriria sua
superioridade por assumir o papel do adulto, identificar-se até certo ponto com o pai, e reduzir as
outras pessoas a crianças. Essa conceituação provavelmente abrange os fatos, embora
dificilmente pareça ser conclusiva. Perguntamo-nos o que é que faz o humorista arrogar-se esse
papel.
Mas temos de recordar a outra situação de humor, provavelmente mais primária e mais
importante, na qual uma pessoa adota uma atitude humorística para consigo mesma, a fim de
manter afastados possíveis sofrimentos. Há sentido em dizer que alguém está-se tratando a sipróprio como criança e, ao mesmo tempo, desempenhando o papel de um adulto superior para
com essa criança?
Essa idéia não muito plausível receberá apoio bastante forte, penso eu, se levarmos em
consideração aquilo que aprendemos das observações patológicas sobre a estrutura do ego.
Esse ego não é uma entidade simples. Abriga dentro dele, como seu núcleo, um agente
especial: o superego. Às vezes, acha-se fundido com o superego de maneira que não podemos
fazerdistinção entre eles, ao passo que, em outras circunstâncias, se acha nitidamente
diferenciado dele. Geneticamente o superego é o herdeiro do agente paterno. Freqüentemente
ele mantém o ego em estrita dependência e, ainda, realmente o trata como os genitores, ou o
pai, outrora trataram o filho, em seus primeiros anos. Obteremos uma explicação dinâmica da
atitude humorística, portanto, se supusermos que ela consiste em ter o humorista retirado a
ênfase psíquica de seu ego, transpondo-a para o superego. Para o superego, assim inflado, o
ego pode parecer minúsculo, e triviais todos os seus interesses, e, com essa nova distribuição
de energia, pode tornar-se coisa fácil para o superego reprimir as possibilidades de reação do
ego.
A fim de permanecermos fiéis à nossa fraseologia habitual, teremos de falar, não de
transportar a ênfase psíquica, mas de deslocar grandes quantidades de catexia. A questão,
então, é saber se temos o direito de representar amplos deslocamentos como esse, de um
agente do aparelho psíquico para outro. Isso parece ser uma nova hipótese, construída ad hoc.
Contudo, podemos lembrar-nos de que repetidamente (ainda que não com suficiente freqüência)
tomamos um fator desse tipo em consideração nas nossas tentativas de representação
metapsicológica dos acontecimentos mentais. Assim, por exemplo, supomos que a diferença
entre uma catexia objetal erótica normal e o estado de se achar enamorado é que, neste último,
uma catexia incomparavelmente maior se transfere para o objeto, e que o ego se esvazia, por
assim dizer, em favor do objeto. Estudando certos casos de paranóia, pude estabelecer o fato de
que idéias de perseguição se formam precocemente e existem por longo tempo sem qualquer
efeito perceptível, até que, em resultado de determinado acontecimento precipitante específico,
recebe quantidades de catexia suficientes para levá-las a se tornarem dominantes. Também a
cura de tais crises paranóicas residiria não tanto numa solução e correção das idéias delirantes,
quanto numa retirada delas da catexia que lhes foi emprestada. As alternações entre melancolia
e mania, entre uma cruel opressão do ego pelo superego e uma liberação do ego após essa
pressão, sugerem um deslocamento de catexia desse tipo; tal deslocamento, ademais, teria de
ser introduzido para explicar um grande número de fenômenos que pertencem à vida mental
normal. Se, até o presente, isso só foi feito em grau muito limitado, o fato deve-se à nossa
cautela usual, algo que só merecelouvor. A região em que nos sentimos seguros é a da patologia
da vida mental; é aqui que efetuamos nossas observações e adquirimos nossas convicções.
Atualmente, só nos aventuramos a formar um juízo sobre a mente normal na medida em quepodemos discernir o que é normal nos isolamentos e deformações do material patológico. Uma
vez superada essa hesitação, reconhecermos quão grande é a contribuição efetuada à
compreensão dos processos mentais tanto pelas condições estáticas quanto pelas alterações
dinâmicas da quantidade da catexia energética.
Acho, portanto, que a possibilidade que aqui sugeri, a de que, numa situação específica,
o indivíduo subitamente hipercatexize seu superego, e então, a partir disso, altere as reações do
ego, merece ser retida. Ademais, o que sugeri sobre o humor encontra analogia digna de nota no
campo aparentado dos chistes. Quanto à origem destes, fui levado a supor que um pensamento
pré-consciente é entregue por um momento à revisão inconsciente [ibid., 166]. Um chiste é,
portanto, a contribuição feita ao cômico pelo inconsciente [ibid., 208]. Exatamente do mesmo
modo, o humor seria a contribuição feita ao cômico pela intervenção do superego.
Com respeito a outros assuntos, conhecemos o superego como um senhor severo. Dirse-á que não combina bem com tal caráter o fato de o superego condescender em capacitar o
ego a obter uma pequena produção de prazer. É verdade que o prazer humorístico jamais
alcança a intensidade do prazer do cômico ou dos chistes, que jamais encontra vazão no riso
cordial. Também é verdade que, ocasionando a atitude humorística, o superego está realmente
repudiando a realidade e servindo a uma ilusão. Entretanto (sem saber exatamente por quê),
encaramos esse prazer menos intenso como possuindo um caráter de valor muito alto; sentimos
que ele é especialmente liberador e enobrecedor. Além disso, a pilhéria feita por humor não é o
essencial. Ela tem apenas o valor de algo preliminar. O principal é a intenção que o humor
transmite, esteja agindo em relação quer ao eu quer as outras pessoas. Significa: ‘Olhem! Aqui
está o mundo, que parece tão perigoso! Não passa de um jogo de crianças, digno apenas de
que sobre ele se faça uma pilhéria!’
Se é realmente o superego que, no humor, fala essas bondosas palavras de conforto ao
ego intimidado, isso nos ensinará que ainda temos muito a aprender sobre a natureza do
superego. Ademais, nem todas as pessoas são capazes da atitude humorística. Trata-se de um
dom raro e precioso, e muitas sequer dispõem da capacidade de fruir o prazer humorístico que
lhes é apresentado. E finalmente, se o superego tenta, através do humor, consolar o ego e
protegê-lo do sofrimento, isso não contradiz sua origem no agente paterno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário